João Gregório foi morto por pistoleiros, em Granjeiro, na manhã do dia 24 de dezembro
Subiu para sete o número de suspeitos de envolvimento no assassinato do prefeito do Município de Granjeiro (a 478Km de Fortaleza), João Gregório Neto, 52 anos, morto por pistoleiros na manhã de 24 de dezembro do ano passado. Um homem foi detido nesta quinta-feira (23), por ter tentado prejudicar a coleta de provas no local do crime. A Polícia deve também incluir no rol dos suspeitos o candidato derrotado por João Gregório nas últimas eleições, Raimundo Duclieux, o “Doutor Gudy”, que teria ameaçado a vítima.
De acordo com as autoridades, o suspeito (identidade não revelada) teria alterado a posição das câmeras de rua instaladas nas proximidades do local onde o prefeito foi assassinado. O objetivo era evitar que a Polícia coletasse imagens da cena do crime e pistas que levassem à identificação dos assassinos e dos veículos usados na ação criminosa.
Além do suspeito detido, outras quatro pessoas já estão sendo investigadas. Uma delas permanece foragida. Seria o homem que disparou os tiros no prefeito. Indícios revelam que após o crime, ele teria fugido para o estado de Pernambuco. Informações extra-oficiais apontam que o atirador seria um policial militar.
Derrotado
Já o nome do candidato derrotado nas urnas por “João do Povo”, Raimundo Duclieux de Freitas, o “Doutor Gudy”, apareceu após ser revelada nas redes sociais um áudio em que ele faz ameaças diretas ao então prefeito João Gregório. Inconformado com a derrota nas eleições, ele se tornou inimigo da vítima.
A morte do prefeito está sendo investigada por uma Força-Tarefa montada pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), determinada pelo governador do estado, Camilo Santana (PT). A Polícia já revelou que as pistas colhidas desde o dia do crime apontam para motivação política.
Outra informação revela que os mandantes, intermediários e assassinos do prefeito se reuniram dias antes do crime para montar a trama em seus detalhes. Na manhã do dia 24, o plano foi executado. João Gregório foi eliminado com tiros nas costas e na nuca quando fazia sua atividade física diária. Caminhava nas proximidades de casa e caiu na emboscada.
Veja quem são os suspeitos do crime:
1 - Vicente Félix de Sousa, o “Vicente Tomé” – ex-prefeito de Granjeiro, pai do atual prefeito, Ticiano Tomé, ex-aliado e depois opositor ferrenho e inimigo pessoal da vítima. Em sua casa a Polícia apreendeu uma caminhonete filmada no local do crime. Cumpre medida cautelar determinada pela Justiça, usando uma tornozeleira eletrônica.
2 - Ticiano da Fonseca Félix, o “Ticiano Tomé” – Era o vice-prefeito do Município e assumiu o cargo com a morte de João Gregório. De aliado político, tornou-se opositor e inimigo pessoas da vítima. Denunciou João Gregório por uma suposta fraude na licitação para a compra de material escolar para as escolas municipais de Granjeiro. A Polícia Civil pediu a sua prisão preventiva, mas a Justiça negou.
3 - Carlos Alberto Ferreira Cavalcanti – preso na cidade de Teresina, no Piauí, na semana passada, após uma troca de tiros com policiais do Ceará e do Piauí. Foi flagrado nas ruas da capital piauiense dirigindo o veículo Polo cinza, placas QQW-9591, inscrição de Belo Horizonte (MG). O carro havia sido roubado e foi usado no apoio a fuga dos pistoleiros, sendo filmado.
4 - Rondinere Francino de Andrade – comerciante preso na cidade de Timon, no Maranhão. É dono de uma revenda de veículos naquele município e no seu estabelecimento foi localizado o carro (Polo) usado pelos pistoleiros. Como o veículo era roubado, foi preso e autuado em flagrante por crime de receptação.
5 - Suspeito de nome não revelado – seria um policial militar do estado de Pernambuco, apontado como um dos pistoleiros. Teve prisão preventiva decretada pela Justiça a pedido da Polícia do Ceará. Teria fugido para o Município de Exu (PE) após o crime. Está sendo procurado.
6 - Suspeito de nome não revelado – Detido na cidade de Granjeiro suspeito de tentar dificultar a coleta de provas no local do crime. Teria alterado a posição das câmeras que teriam filmado o assassinato.
7 – Raimundo Duclieux de Freitas, o “Doutor Gudy”, candidato derrotado nas urnas pela vítima. Fazia oposição ferrenha a João Gregório e o ameaçou através de um áudio que agora circula nas redes sociais.

João Gregório foi morto por pistoleiros, em Granjeiro, na manhã do dia 24 de dezembro
Subiu para sete o número de suspeitos de envolvimento no assassinato do prefeito do Município de Granjeiro (a 478Km de Fortaleza), João Gregório Neto, 52 anos, morto por pistoleiros na manhã de 24 de dezembro do ano passado. Um homem foi detido nesta quinta-feira (23), por ter tentado prejudicar a coleta de provas no local do crime. A Polícia deve também incluir no rol dos suspeitos o candidato derrotado por João Gregório nas últimas eleições, Raimundo Duclieux, o “Doutor Gudy”, que teria ameaçado a vítima.
De acordo com as autoridades, o suspeito (identidade não revelada) teria alterado a posição das câmeras de rua instaladas nas proximidades do local onde o prefeito foi assassinado. O objetivo era evitar que a Polícia coletasse imagens da cena do crime e pistas que levassem à identificação dos assassinos e dos veículos usados na ação criminosa.
Além do suspeito detido, outras quatro pessoas já estão sendo investigadas. Uma delas permanece foragida. Seria o homem que disparou os tiros no prefeito. Indícios revelam que após o crime, ele teria fugido para o estado de Pernambuco. Informações extra-oficiais apontam que o atirador seria um policial militar.
Derrotado
Já o nome do candidato derrotado nas urnas por “João do Povo”, Raimundo Duclieux de Freitas, o “Doutor Gudy”, apareceu após ser revelada nas redes sociais um áudio em que ele faz ameaças diretas ao então prefeito João Gregório. Inconformado com a derrota nas eleições, ele se tornou inimigo da vítima.
A morte do prefeito está sendo investigada por uma Força-Tarefa montada pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), determinada pelo governador do estado, Camilo Santana (PT). A Polícia já revelou que as pistas colhidas desde o dia do crime apontam para motivação política.
Outra informação revela que os mandantes, intermediários e assassinos do prefeito se reuniram dias antes do crime para montar a trama em seus detalhes. Na manhã do dia 24, o plano foi executado. João Gregório foi eliminado com tiros nas costas e na nuca quando fazia sua atividade física diária. Caminhava nas proximidades de casa e caiu na emboscada.
Veja quem são os suspeitos do crime:
1 - Vicente Félix de Sousa, o “Vicente Tomé” – ex-prefeito de Granjeiro, pai do atual prefeito, Ticiano Tomé, ex-aliado e depois opositor ferrenho e inimigo pessoal da vítima. Em sua casa a Polícia apreendeu uma caminhonete filmada no local do crime. Cumpre medida cautelar determinada pela Justiça, usando uma tornozeleira eletrônica.
2 - Ticiano da Fonseca Félix, o “Ticiano Tomé” – Era o vice-prefeito do Município e assumiu o cargo com a morte de João Gregório. De aliado político, tornou-se opositor e inimigo pessoas da vítima. Denunciou João Gregório por uma suposta fraude na licitação para a compra de material escolar para as escolas municipais de Granjeiro. A Polícia Civil pediu a sua prisão preventiva, mas a Justiça negou.
3 - Carlos Alberto Ferreira Cavalcanti – preso na cidade de Teresina, no Piauí, na semana passada, após uma troca de tiros com policiais do Ceará e do Piauí. Foi flagrado nas ruas da capital piauiense dirigindo o veículo Polo cinza, placas QQW-9591, inscrição de Belo Horizonte (MG). O carro havia sido roubado e foi usado no apoio a fuga dos pistoleiros, sendo filmado.
4 - Rondinere Francino de Andrade – comerciante preso na cidade de Timon, no Maranhão. É dono de uma revenda de veículos naquele município e no seu estabelecimento foi localizado o carro (Polo) usado pelos pistoleiros. Como o veículo era roubado, foi preso e autuado em flagrante por crime de receptação.
5 - Suspeito de nome não revelado – seria um policial militar do estado de Pernambuco, apontado como um dos pistoleiros. Teve prisão preventiva decretada pela Justiça a pedido da Polícia do Ceará. Teria fugido para o Município de Exu (PE) após o crime. Está sendo procurado.
6 - Suspeito de nome não revelado – Detido na cidade de Granjeiro suspeito de tentar dificultar a coleta de provas no local do crime. Teria alterado a posição das câmeras que teriam filmado o assassinato.
7 – Raimundo Duclieux de Freitas, o “Doutor Gudy”, candidato derrotado nas urnas pela vítima. Fazia oposição ferrenha a João Gregório e o ameaçou através de um áudio que agora circula nas redes sociais.

Fonte: Fernando Ribeiro
Proxima
Este é o post mais recente.
Anterior
Postagem mais antiga

Postar um comentário

 
Top